Necessidade Permanente de Enfrentar a Insegurança Alimentar Motiva a Criação do Instituto Fome Zero.

Sob a liderança do ex-Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva, o Instituto nasce para promover estudos e políticas de combate à fome, e à todas as formas de má nutrição – em atendimento aos compromissos do Brasil e de todos os países do mundo.

São Paulo, 15 de outubro de 2020 – A partir de 2003, a implementação do Programa Fome Zero e as bem sucedidas políticas de transferência de renda elevaram o Brasil à condição de primeiro dos grandes países em desenvolvimento a deixar o Mapa Mundial da Fome, já em 2014. No entanto, menos de seis anos após o feito, o país retrocedeu de maneira galopante em seus níveis de segurança alimentar e nutricional, em meio à desarticulação governamental, à desmobilização da sociedade civil, crise econômica e às fortes restrições aos investimentos sociais.

Com isso, nosso país voltou a integrar a lista dos países em que a fome é considerada um problema estrutural (atingindo mais de 5% da população), situação que deverá se agravar com a COVID – 19 e os seus efeitos, especialmente para as populações mais pobres e vulneráveis. Além de elevados níveis de desemprego e subocupação, já estamos assistindo a volta da carestia com a elevação dos preços dos alimentos.

Em escala global, a fome voltou a crescer após dez anos de declínio, enquanto a obesidade e o sobrepeso se tornaram verdadeiras epidemias. Tudo isso torna o ODS – Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 2 – denominado de “Fome Zero Mundial” – um dos mais difíceis de ser alcançado até 2030, segundo a ONU.

Faces opostas da mesma moeda, fome e obesidade, escancaram seu elemento comum: a falta de acesso a uma alimentação regular, adequada e saudável. A mobilização da sociedade e a onda de solidariedade que emergiu com o avanço da pandemia destacam a oportunidade do momento em favor do respeito, preservação e da promoção do Direito Humano à Alimentação Adequada.

O Instituto Fome Zero (IFZ) nasce com o propósito de lutar de forma permanente com iniciativas em benefício da Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil e junto à comunidade internacional. Coloca-se, ainda, a missão de preservar a história do combate à fome no Brasil e desenvolver estudos, pesquisas, seminários e troca de experiências que possam retomar o papel de pioneirismo e liderança do nosso país nesse tema.